segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Boletim Fim dos Tempos: Terremoto abala Jerusalem


Um abalo sismico abalou Israel as 12:37 PM da ultima sexta-feira. Os únicos danos relatados em Israel forma no Templo do Monte e próximo à Shechem (Nablus). O terremoto mediu 5,3 na escala Richter; seu epicentro foi localizado no nordeste do Líbano. Mais cedo na semana passada, um terremoto medindo 4,1 fez-se sentir no Norte de Israel, também proveniente do Líbano, perto da cidade setentrional de Tyre. Um grande buraco foi aberto no Templo do Monte durante o terremoto, que logo foi coberto por funcionários da Autoridade Islâmica, que administra a mesquita construída acima do Muro das Lamentações. Os únicos outros relatos de danos na Terra Santa foram reportados pela Autoridade Palestiniana em Nablus e Jenin, onde uma velha casa ruiu, bloqueando a estrada principal para a aldeia de Khufin. A aldeia não é longe do local da Tumba de José, que na semana passada foi atacado por vândalos muçulmanos.
Pelo menos cinco pessoas ficaram feridas e duas casas foram destruídas no sul do Líbano como resultado do terremoto de sexta-feira.

Funcionários islâmicos culpam Israel

Os funcionários do templo culparam Israel pelo buraco de 2 metros de diâmetro, e cerca de três metros de profundidade, afirmando que foi causado por Israel, que é acusado de cavar túneis abaixo do Templo do Monte. Eles exigiram um fim a todos as escavações israelitas na área. Apesar de escavações de vários projetos em curso em torno da praça Oeste, nenhum deles implica em tuneis além do Muro das Lamentações ou abaixo do Monte. A posição oficial da Autoridade Palestina é a de que nunca houve um templo judeu no Mounte do Templo e ela tem feito todos os esforços para apagar qualquer evidência arqueológica do judaísmo no local. O rabino Shmuel Rabinowitz emitiu uma declaração rejeitando as reivindicações muçulmanas . "Estes são relatórios malignos, sem uma ponta de verdade", disse ele, acrescentando que os trabalhos no complexo do Monte Templo seriam contrários à lei judaica.

0 comentários: